Clima organizacional no setor público: uma análise na Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins em 2017

Danielle Félix Delmondes Figueiredo Lima, Raphael Alves Vieira da Silva, Gilberto Soares da Silva

Resumo


O diagnóstico do clima organizacional é importante para averiguar o nível de favorabilidade do trabalhador em relação ao ambiente organizacional. O presente estudo se faz necessário para mensurar como os servidores percebem sua realidade no ambiente de trabalho e mensurar o grau de satisfação no ambiente público e identificar os pontos críticos apontados por eles, abrindo espaço para que a instituição promova mecanismos de melhorias.  Com base no relatório analítico e técnico de pesquisa do clima organizacional, foram identificados onze fatores, subdivididos em duas dimensões, a saber: a dimensão organização institucional (carga de trabalho, infraestrutura e condições de trabalho, clareza organizacional e padrão de desempenho); e a dimensão psicossocial (liderança, comprometimento organizacional, trabalho em equipe, reconhecimento do mérito, qualificação profissional, comunicação e qualidade de vida). O estudo se deu por meio de pesquisas bibliográficas, documentais e com base em dados secundários originários da pesquisa realizada pela Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins (SEFAZ) em 2017. O tipo de abordagem foi de caráter qualitativo e quantitativo e os dados foram coletados por meio de questionários contendo 49 perguntas de aspectos psicossocial e relativos à dimensão organização institucional, e por meio dos quais foi possível verificar que dos 819 servidores da SEFAZ, 92% são efetivos. Como resultados, foi possível perceber que os pontos mais críticos são: qualidade de vida e qualificação profissional, que atingiram as médias de favorabilidade de 35,40% e 45,14%, respectivamente, abaixo da média considerada aceitável pela SEFAZ, que é superior a 60%. Quanto aos fatores infraestrutura e condições de trabalho e o de comunicação, as médias de favorabilidade foram de 56,16% e 59,40%, respectivamente, considerados como regular.

Termos para indexação: Clima organizacional, ambiente de trabalho, gestão pública, satisfação profissional.


Texto completo:

PDF

Referências


BERGAMINI, Cecília Whitaker. Psicologia aplicada à administração de empresas do comportamento organizacional. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

BISPO, Carlos Alberto Ferreira. Um novo modelo de pesquisa de clima organizacional. São Paulo: EESC – USP, 2006. p. 258-273.

CARDOSO, Miguel Pedro. Mudança ideológica para a qualidade: uma abordagem antropológica. 1. ed. Niterói: EDUFF, 2000.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. In: Teoria Comportamental. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CODA, Roberto. Pesquisa em clima organizacional e gestão estratégica em recursos humanos. In: BERGAMINI, Cecília W.; CODA, Roberto (Orgs.). Psicodinâmica da vida organizacional. Motivação e liderança. São Paulo: Atlas, 1998.

FARAH, Marta Ferreira Santos; BARBOZA, Hélio Batista (Orgs.). Novas experiências de gestão pública e cidadania. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

GASPARETTO, Luiz Eduardo. Pesquisa de clima organizacional: o que é e como fazer. 3. ed. São Paulo: Scortecci, 2008.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos. Tradução de Maria Lúcia G. Leite Rosa. São Paulo: Pioneira, 2000.

MATOS, Gustavo Gomes de. Comunicação empresarial sem complicação. 3. ed. Barueri-SP: Manole, 2014.

MILKOVICH, George T.; BOUDREAU, Jhon W. Administração de recursos humanos. Tradução de Reinaldo C. Marcondes. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; SANCHES, Odécio. Quantitative and qualitative methods: opposition or complementarity? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, 1993.

MINICUCCI, Agostinho. Psicologia Aplicada à Administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MOTTA, Fernando Cláudio Prestes; VASCONCELOS, Isabella Francisca Freitas Gouveia de. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira, 2002.

NEVES JUNIOR, Aires Pereira. Eficiência e aprendizagem organizacional: o caso do gabinete de senador. Monografia (Especialização em Administração Legislativa) – Universidade do Legislativo Brasileiro. Brasília, 2009. 155 p..

OAKLAND, John. Gerenciamento da qualidade total. Tradução Adalberto Guedes Pereira. São Paulo: Nobel, 2004.

SILVA, Reinaldo Oliveira. Teoria da administração. 1 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

SIMÕES, Martim Francisco Cruz. Liderança e gestão intermediária. Publicado em 12 de janeiro de 2017. Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/lideran%C3%A7a-e-gest%C3%A3o-intermedi%C3%A1ria-martim-sim%C3%B5es. Acesso em: 10 jul. 2018.

TOCANTINS. Secretaria da Fazenda. Relatório analítico e técnico: pesquisa do clima organizacional da Secretaria da Fazenda do estado do Tocantins. Palmas, jun. 2017.

TORQUATO, Gaudêncio. Comunicação nas organizações. São Paulo: Summus, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts