Análise da qualidade microbiológica e físico-química do leite UAT integral e desnatado comercializado na cidade de Paraíso do Tocantins/TO

Állysson Costa dos Santos, Marco Antônio Pantoja Maciel, Kallyana Moraes Carvalho Dominices

Resumo


O leite deve apresentar parâmetros higiênicos e nutricionais que trazem benefícios aos consumidores. Portanto, o presente estudo teve como objetivo analisar os principais parâmetros físico-químicos e microbiológicos de leites integrais e desnatados, de duas marcas distintas, comercializados na cidade de Paraíso do Tocantins/TO, sendo da marca A e B, ambas possuidoras do SIF (Selo de Inspeção Federal), e assim, julgá-los se aptos ou não para o consumo, tomando como base os Padrões de Identidade e Qualidade (PIQ) específicos para o leite, atestando, assim, sua qualidade. Realizou-se análises de Acidez Total Titulável (ATT), pH e densidade como quantitativas para os parâmetros físico-químicos, enquanto fez-se análises de Identificação de Amido, teste de Peróxidos e Teste de Identificação de Reconstituintes (cloretos) como métodos qualitativos, além de serem realizadas análises microbiológicas de Coliformes Totais e Termotolerantes, Salmonela e Contagem de Microrganismos Mesófilos e Psicrotrófilos de acordo com as normas preconizadas pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL). Para as análises microbiológicas, obteve-se resultados satisfatórios, apresentando, assim, ausência de microrganismos, entretanto, as análises físico-químicas apresentaram uma não-conformidade com a Instrução Normativa 62, pois apenas a análise de densidade não foi capaz de identificar a presença de substâncias que estavam contidas nas amostras dos leites desnatados das marcas A e B e o integral da marca B, que deram resultados que indicam a presença de cloretos adicionados fraudulentamente ao produto. Portanto, observou-se através dos resultados obtidos na presente pesquisa que os leites analisados estavam em conformidade com a legislação vigente na parte microbiológica, mas nas análises físico-químicas três amostras apresentaram uma não conformidade, demonstrando, assim, a presença de cloretos nos leites desnatados das marcas A e B e no integral da marca B, logo, compreende-se que essa presença pode acarretar malefícios à saúde dos consumidores.

Termos para indexação: análises físico-químicas, análises microbiológicas, controle de qualidade, instrução normativa.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Dandara Dias Cavalcante; MOÉSIA, Renelita da Rocha. Análise microbiológica do leite bovino não industrializado comercializado na cidade de Cajazeiras, Paraíba. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, [s.l.], v. 12, n. 3, p.629-633, 1 jul. 2017. Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i3.4487. Doi: 10.18378/rvads.v12i3.4487.

ALVIM, T. C.; COLEHO, A. F. S. Obtenção higiênica do leite. In: NEIVA, A. C. G. R.; NEIVA, J. N. M. (Organizadores). Do campus para o campo. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora Ltda., p. 273-297, 2006.

AMANCIO, Olga Maria Silverio et al. A IMPORTÂNCIA DO CONSUMO DE LEITE NO ATUAL CENÁRIO NUTRICIONAL BRASILEIRO. São Paulo, Sp: Sban, 2015. 28 28 p. Disponível em: http://sban.cloudpainel.com.br/source/SBAN_Importancia-do-consumo-de-leite.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

BARRETO, Juliano et al. IMPLANTAÇÃO DA ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC), GARANTIA DA QUALIDADE E SEGURANÇA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS. Acta Biomedica Brasiliensia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p.72-80. Jul. 2013.

BRASIL. Ministério da Agricultura do Abastecimento e da Reforma Agrária. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO LEITE UAT (UHT) Gabinete do Ministro. Portaria Nº 146 de 07 de março de 1996.

BRASIL, Ministério da saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Resolução RDC nº 12 de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico Sobre Os Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial. Brasília, DF. 10 de janeiro de 2011a.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa 62 de 29 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os regulamentos técnicos de produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, 30 dez. 2011b.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA). Pescados e Derivados, C.7, seção 1. Brasília, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual técnico de diagnóstico laboratorial de Salmonella spp: diagnóstico laboratorial do gênero Salmonella / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. Laboratório de Referência Nacional de Enteroinfecções Bacterianas, Instituto Adolfo Lutz. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011c.

BRITO, Maria Aparecida et al. Acidez Titulável. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia8/AG01/arvore/AG01_194_2172003 9246.html. Acesso em: 28 ago. 2018.

CECCHI, Heloisa Máscia. Fundamentos Teóricos e Práticos em Análise de Alimentos. 2. ed. Campinas – Sp: Unicamp, 2003. 207 p.

DIAS, Ana Maria Costa. Análises para o controlo da qualidade ao leite. Coimbra portugal: Instituto Politécnico de Coimbra Escola Supeior AgrÁria, 2010. 42 p. Disponível em: http://esac.pt/noronha/coordenadorCETQA/relatorios/relatório estágio – Ana Dias.pdf. Acesso em: 27 Agosto. 2018.

DIAS, Juliana Alves; ANTES, Fabiane Goldschmidt. Qualidade físico-química, higiênico-sanitária e composicional do leite cru: indicadores e aplicações práticas da Instrução Normativa 62. - Porto Velho, RO: Embrapa Rondônia, 2014.

FORNASARI, Marcela Thaísa Carlindo; MONTANHINI, Maike Taís Maziero. Avaliação da Eficiência da Prova Qualitativa de Cloretos para Investigação de Adulteração do Leite Rebrapa: Brazilian Journal of Food Research, Paraná, v. 6, n. 2, p.75-79, dez. 2015. Quadrimestral. Disponível em: https://www.doi.org/10.14685/rebrapa.v6i2.209. doi: 10.14685/rebrapa.v6i2.209.

FRANCO, Bernadette D. Gombossy de Melo; LANDGRAF, Mariza. Microbiologia dos Alimentos. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 2008. 182 p.

GOFF, D. Dairy Chemistry and Physics. In: GOFF, D. The Dairy Science and Technology eBook. [ Guelph: University of Guelph, 2014 ]. Disponível em: https://www.uoguelph.ca/foodscience/book-page/dairy-chemistry-and-physics. Acesso em: 27 out. 2018.

GOMES, José Carlos; OLIVEIRA, Gustavo Fonseca. Análises físico-químicas de alimentos. 1 ed. Viçosa, MG; UFV, 2011. 01-303 p.

GONÇALVES, Patricia Maria Rocha; FRANCO, Robson Maia. Coliformes fecais, Salmonella e Staphylococcus aureus em queijo Minas frescal. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, [s.l.], v. 3, n. 1, p.5-9, 1996. Editora Cubo Multimidia. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/rbcv.2015.035. doi: 10.4322/rbcv.2015.035.

Instituto Adolfo Lutz (São Paulo). Métodos físico-químicos para análise de alimentos /coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea – São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2012 p. 1020.

MENDES, Carolina de Gouveia et al. ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS E PESQUISA DE FRAUDE NO LEITE INFORMAL COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ, RN. Ciência Animal Brasileira, Mossoró, Rn, v. 11, n. 2, p.349-356, out. 2010. Disponível em: https://www.doi.org/10.526/cab.v11i2.1146. Doi: 10.526/cab.v11i2.1146.

NASCIMENTO, Mariana R. et al. CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE EM PROPRIEDADES DO MUNICÍPIO DE SANTA RITA DO PASSA QUATRO – SP. Investigação: Medicina Veterinária, Passa Quatro – Sp, p.49-54, 2016.

ROSSI, Daniel. ANÁLISE DO LEITE. Paranaiba, Ms: Laborclin, 2007. 22 p. Disponível em: http://www.professordanielrossi.yolasite.com/resources/Apostila sobre Análise do Leite.pdf. Acesso em: 28 Agosto 2018.

ROCHA, Karen Luiza; OLIVEIRA, Aline Pedrosa de; CARVALHO, José Wilson Pires. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO LEITE “IN NATURA”, PASTEURIZADO E ESTERILIZADO (UHT), COMERCIALIZADO EM BARRA DO BUGRES-MT. Enciclopédia Biosfera, [s.l.], v. 13, n. 23, p.114-126, 20 jun. 2016. Centro Cientifico Conhecer.

ROCHA, Paulo Cézar Alves et al. Análises Microbiológicas do Leite e Tipos de Adulterações. Revista Brasileira de Agrotecnologia, Garanhuns, Pe, v. 5, n. 1, p.01-06, jun. 2015. Anual. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/3685/pdf-06. Acesso em: 20 set. 2018.

SANTOS, Diones Gonçalves dos et al. ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LEITE PRODUZIDO EM RONDÔNIA E COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO – RO. South American Journal Of Basic Education, Technical And Technological, Porto Velho – Ro., v. 4, n. 1, p.79-89, 22 jun. 2017.

SANTOS, M.c.m. et al. Desenvolvimento de um modelo preditivo para identificação de perda de estabilidade e ocorrência de proteólise em leite UAT. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, [s.l.], v. 70, n. 1, p.247-253, jan. 2018. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1678-4162-9256.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

   GoogleScholar         BASE - Bielefeld Academich Search Engine