Jornada de trabalho, qualidade de vida e prática de atividades físicas de professores

Diego Francisco da Silva

Resumo


O presente estudo buscou verificar jornada de trabalho, qualidade de vida e prática de atividades físicas de professores, e se caracteriza como pesquisa de campo de cunho transversal. Participaram do estudo, 17 professores, de ambos os sexos. Os participantes possuíam idade média de 43 anos. Para avaliar a jornada de trabalho, foi utilizado um questionário próprio (QJT); e para avaliar a qualidade de vida e a prática de atividades físicas, foram utilizados os questionários, Whoqol-Bref e o Ipaq-Versão curta. Verificou-se que os professores possuíam uma ampla jornada de trabalho, com média de 42 horas de trabalho formal, e média de 14 horas de trabalho informal; 58,8% dos professores encontravam-se como sedentários e irregularmente ativos; os outros 41,2%, como ativos e muito ativos. Os professores demonstraram qualidade de vida de regular a boa, com média de 62 pontos no escore de qualidade de vida. O estudo revelou, portanto, que os professores dispõem de uma extensa jornada de trabalho. Por outro lado, poucas horas são dedicadas ao lazer.


Palavras-chave: Atividade física. Jornada de trabalho. Professor. Qualidade de vida.


Texto completo:

PDF

Referências


BAIÃO, Lidiane de Paiva Mariano; CUNHA, Rodrigo Gontijo. Doenças e/ou disfunções ocupacionais no meio docente: uma revisão de literatura. Formação@docente, Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p.6-22, 1 jun. 2013. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-izabela/index.php/fdc/article/view/344/338. Acesso em: 18 set. 2018.

CAYE, Ivone Trevisan; ULBRICHT, Leandra; NEVES, Eduardo Borba. Qualidade de vida no trabalho dos professores de matemática e português do ensino fundamental. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 974-989, dez. 2014. Semestral.

CARNEIRO, Thiago Lopes; FERREIRA, Mário César. Redução de jornada melhora a qualidade de vida no trabalho? A experiência de uma organização pública brasileira. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 131-158, jun. 2008. ISSN 1984-6657. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/3271. Acesso em: 19 maio 2017.

FERRAZ, Alex Soares Marreiros; MACHADO, André Accioly Nogueira. Atividade física e doenças crônico-degenerativas. Diversa, [s. l.], v. 1, n. 1, p.25-35, 2008. Semestral.

FOLLE, A.; FARIAS, G. Nível de qualidade de vida e de atividade física de professores de escolas públicas estaduais da cidade de Palhoça (SC). Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 11, n. 01, p. 11-21, 2012. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/3219/3459. Acesso em: 2 out. 2018.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNCAO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, ago. 2005.

GOMES, P. C.; AMÉDIS, G. Afastamento dos professores de 5ª à 8ª séries da rede municipal de Ipatinga da sala de aula: principais causadores. Ipatinga, [s.d.]. Disponível em: http://bibliotecadigital.unec.edu.br/ojs/index.php/unec03/article/view/289/365. Acesso em: 12 out. 2017.

LEÃO, Higo Faraday Paraíso et al. Qualidade de Vida e Nível de Atividade Física de Trabalhadores com Diferentes Tempos de Serviço. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 15, n. 1, p.31-38, 2011.

MINAYO, M. C. S.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & saúde coletiva. 2000, vol.5, n.1, pp.7-18. ISSN 1413-8123.

MOCELIN, D. G. Redução da jornada de trabalho e qualidade dos empregos: entre o discurso, a teoria e a realidade. Revista Sociológica e Política. 2011, vol.19, n.38, pp.101-119. ISSN 1678-9873.

NAHAS, M.V. Atividade Física, saúde e qualidade de vida: Conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3 ed. Londrina: Midiograf, 2003.

KOETZ, Lydia; REMPEL, Claudete; PÉRICO, Eduardo. Qualidade de vida de professores de Instituições de Ensino Superior Comunitárias do Rio Grande do Sul. Ciência & Saúde Coletiva, Lajedo, v. 18, n. 4, p.1019-1028, 2013.

PEREIRA, E. F. Qualidade de vida e condições de trabalho de professores de educação básica do município de Florianópolis. 2008. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação Física) Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis,2008.

PEREIRA, E. F. et al. O trabalho docente e a qualidade de vida dos professores na educação básica. Revista de Saúde Pública, Florianópolis, v. 16, n. 2, p.221-231, 2014.

PIVETA JUNIOR; SALES, Antônio. Atividade física e suas contribuições na qualidade de vida dos docentes: breve revisão bibliográfica. In: II Seminário formação docente: intersecção entre universidade e escolas - necessidades formativas nas/das licenciaturas, 2., 2017, Dourados. Seminário. Dourados-MG: Seminário Formação Docente, 2017. p. 1 - 14.

Rocha, S. S. L. & Felli, V. E. A. Qualidade de vida no trabalho docente em

enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 12 (1), 28-35, 2004.

RUIZ, Maria José Ferreira. O papel social do professor: uma contribuição da filosofia da educação e do pensamento freireano à formação do professor. Revista Iberoamericana de Educación, Londrina, v. 33, p.55-70, 2003. Disponível em: https://rieoei.org/histórico/documentos/rie33a03.PDF. Acesso em: 18 set. 2018.

SANTOS, João Francisco Severo. Globalização, qualidade de vida e educação. Revista Espaço Acadêmico, n. 61. jun. 2006.

SILVA, Amanda Aparecida, Rotenberg Lúcia, Fischer Frida Marina. Jornadas de trabalho na enfermagem: entre necessidades individuais e condições de trabalho. Revista Saúde Pública. 2011.45(6);1117-26. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v45n6/2314.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

SILVA, Rodrigo Sinnott et al. Atividade física e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 15, n. 1, p. 115-120, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts