As contribuições da pluralidade metodológica na temática adolescência e gravidez

Marcelo Alberto Elias, Valentin Furtonato Bonelli Neto

Resumo


A abordagem de temáticas relacionadas à saúde na escola encontra-se muitas vezes saturadas, não pela necessidade do tema, e sim pela limitação metodológica utilizada para esse fim. Metodologias variadas são intensamente indicadas em todo processo de escolarização e também deveriam ser em ações de saúde. Assim, o presente trabalho teve como objetivo investigar a colaboração da pluralidade metodológica na abordagem adolescência e gravidez. Para isso, foi escolhida uma escola da educação básica, localizada na cidade de Gaspar – SC, que contava, no momento da pesquisa, em 2017, com cerca de 400 alunos. Participaram da pesquisa cerca de 90 estudantes do oitavo ano do ensino fundamental, os quais foram envolvidos em uma série de atividades diversificadas para trabalhar a temática proposta. As intervenções didáticas ocorreram em especial nas aulas de ciências, porém, houve muitos momentos de interdisciplinaridade. Os resultados foram analisados de maneira qualitativa e expressaram uma grande mobilização, entusiasmo e interesse por parte dos estudantes. Assim, a presente pesquisa sugere que a pluralidade metodológica deve ser uma ferramenta importante também em abordagens transversais, em especial na promoção da saúde.

Palavras-chave: Educação para a sexualidade. Gravidez na adolescência. Pluralidade metodológica.


Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BRAZ, KATIA JACQUES. Criação de proposta de intervenção pedagógica na prevenção da gravidez na adolescência. 2015, 84 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Diversidade e Inclusão) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015. Disponível em: http://bancodeteses.capes.gov.br/banco-teses/#!/. Acesso em: 2 abr. 2017.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbedu/n22/n22a09. Acesso em: 20 ago. 2017.

CORTI, Ana Paula de Oliveira; SOUZA, Raquel. Diálogos com o mundo juvenil: subsídios para educadores. São Paulo: Ação Educativa, 2012.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1998. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/33165635/44966531-Michel-Foucault-Historia-da-Sexualidade-2-O-Uso-dos-Prazeres.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1503266221&Signature=%2FJiSkHqqR%2BcX3%2FWyZsooNAfXUeQ%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DHistoria_da_Sexualidade_2_-_o_Uso_dos_Pr.pdf. Acesso em: 20 ago. 2017.

GARDNER, H. Estruturas da Mente - A teoria das inteligências múltiplas. 1. ed. PortoAlegre: Artes Médicas, 1994.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=295011. Acesso em: 2 abr. 2017.

MOREIRA, L. M.; MARANDINO, M. Teatro de temática científica: conceituação, conflitos, papel pedagógico e contexto brasileiro. Ciencia & Educação, v. 21, n. 2, p. 511–523, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v21n2/1516-7313-ciedu-21-02-0511.pdf. Acesso em: 20 ago. 2017.

Organização das Nações Unidas no Brasil. Brasil tem maior número de casamentos infantis da América Latina e o 4º mais alto do mundo. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/brasil-tem-maior-numero-de-casamentos-infantis-da-america-latina-e-o-4o-mais-alto-do-mundo/. Acesso em: 3 abr. 2017.

RAMOS, Flávia Regina Souza; HEIDEMANN, Ivonete Teresinha Schülter Buss; CARDOSO, J. Assistência e diagnóstico, aborto, pré-natal, parto e puerpério. In: Eixo II – Reconhecimento da realidade: Módulo 10: Saúde do Adolescente. 2013. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/938. Acesso em: 20 jul. 2017.

ROSSETTO, M. S.; SCHERMANN, L. B.; BÉRIA, J. U. Maternidade na adolescência: indicadores emocionais negativos e fatores associados em mães de 14 a 16 anos em Porto Alegre, RS, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 10, p. 4235–4246, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n10/1413-8123-csc-19-10-4235.pdf. Acesso em: 20 ago. 2017.

SILVA, D. R. Q. Exclusão de adolescentes grávidas em escolas do sul do Brasil: uma análise sobre a educação sexual e suas implicações. Revista de Estudios Sociales, v. 57, p. 78–88, 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/res/n57/n57a07.pdf. Acesso em: 20 ago. 2017.

SILVEIRA, Cláudia Regina. Metodologia da pesquisa. Florianópolis: IFSC, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts