Gestão dos resíduos sólidos no município de Araguaína – TO

Luísa Medeiros Azambuja Rodrigues, Mateus Dall A'gnol, Wagner Lourenzi Simões

Resumo


Acompanhando o crescimento constante da população, cresce também a geração de resíduos sólidos. Esses resíduos, se descartados incorretamente, são responsáveis pela geração de impactos ambientais negativos ao meio ambiente e à população. É percebido visivelmente no município de Araguaína/TO a existência de diversos locais de descarte inadequado de resíduos sólidos. Em função disso, o objetivo deste trabalho foi identificar como é realizada a gestão municipal dos resíduos sólidos no município de Araguaína, a partir de uma pesquisa bibliográfica e documental, assim como de uma vistoria. Foram identificados pontos de vulnerabilidade na gestão dos resíduos, tais como a existência de 29 pontos de descarte irregular de resíduos sólidos no município. Utilizando como base artigos sobre sistemas de gestão de resíduos sólidos em outros municípios no Brasil, levantou-se a necessidade de ser implantado no município o sistema de Coleta Seletiva, assim como a criação de mecanismos para exterminar os pontos de descarte inadequado de resíduos sólidos, utilizando-se sempre da educação ambiental, ferramenta indispensável para a criação de indivíduos conscientes ambiental e socialmente.

Palavras-chave: Coleta seletiva. Educação ambiental. Impactos ambientais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA JR et al. Processo de coleta seletiva de resíduos sólidos um estudo de caso de sustentabilidade na cidade de Santa Maria/RS. Revista Holus. 2015. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/1532/1099. Acesso em: 15 maio 2019.

ARAGUAÍNA. PMGIRS. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. 2013.

ARAGUAÍNA. Prefeitura Municipal. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente – SEDEMA. Araguaína, 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 10.004: resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

BERTO, D. S. Subsídios para o gerenciamento integrado de Resíduos Sólidos Urbanos no Município de São João da Barra – RJ. 2017. Boletim do Observatório Ambiental. Disponível em: http://www.essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/boletim/article/view/10030. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 maio 2019.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/to/araguaina/panorama. Acesso em: 21 jan. 2018.

BRASIL. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Lei n.º 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n.º 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 2. ed. Brasília, DF, 2017.

CASTRO, J. G. D. et al. Educação Ambiental como estratégia para o Desenvolvimento Local Sustentável: município de Araguaína (TO) em destaque. Goiânia: Editora Kelps, 2012.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n.º 01, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Disponível em: https://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/MMA/RE0001-230186.PDF. Acesso em: 10 maio 2019.

COELHO, T. C. EIA/RIMA – Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental. Aterro Sanitário Araguaína. [2012]. Disponível em: https://naturatins.to.gov.br/eia-rima-nassif-aterro-de-araguaina/. Acesso em: 3 maio 2019.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 41-49.

LIMA, C.: COSTA, A., A Importância da Educação Ambiental para o Sistema de Coleta Seletiva um estudo de caso em Curitiba. Revista Geográfica Acadêmica. v. 10, n. 2, 2016. Disponível em: https://revista.ufrr.br/rga/article/view/3312. Acesso em: 13 maio 2019.

OLIVEIRA, H. Prefeitura de Goiânia. Ecoponto recebeu 600 toneladas de resíduos em seis meses. Disponível em: http://www4.goiania.go.gov.br/pagina/?pagina=noticias&tt=not&cd=16449&fn=true. Acesso em: 19 set. 2019.

OLIVEIRA, H.; MAGALHÃES, L. Prefeitura inaugura primeiro Ecoponto de Goiânia. Disponível em: http://www4.goiania.go.gov.br/portal/pagina/?pagina=noticias&s=1&tt=not&cd=14916&fn=true. Acesso em: 19 set. 2019.

OLIVEIRA, T. B.; JUNIOR, A. C. G. O planejamento municipal na gestão dos resíduos sólidos urbanos e na organização da coleta seletiva. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. 2016. Disponível em: http://submission.scielo.br/index.php/esa/article/view/135929. Acesso em: 13 maio 2019.

PERS-TO. Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Estado do Tocantins. 2017. Disponível em: https://central3.to.gov.br/arquivo/437022/. Acesso em: 13 maio 2019.

TOLEDO, D. S. et al. Vulnerabilidade à transmissão da leishimaniose visceral humana em área urbana brasileira. Revista de Saúde Pública. 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/672/67249591047.pdf. Acesso em: 21 abr. 2019.

VOLPATO, G. L. O método lógico para redação científica. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação Informação & Inovação e Saúde. jan-mar. 2015. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/932/1577. Acesso em: 21 abr. 2019.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts