Experiência de uma abordagem prática no ensino de Botânica

Valdemar Matos Paula, Milane Leite Monteiro, Thayná Rosa Rodrigues

Resumo


Fazer com que o aluno saia da sala de aula e explore outros objetos de estudo é um desafio para qualquer docente, e esta prática permite que os alunos possam reconhecer e diferenciar conhecimentos teóricos de práticos; pensando nisto, o presente estudo abordará uma experiência prática desenvolvida no Horto Florestal localizado em Rio Branco, no Acre. Através desta, os alunos do curso de Ciências Biológicas do IFAC participantes desta prática puderam visualizar e distinguir os diversos grupos de plantas e organismos estudados dentro do ensino de Botânica. Para a realização deste trabalho, adotou-se uma metodologia de pesquisa de campo e em seguida uma análise qualitativa, utilizando-se de questionários semiestruturados, com a finalidade de compreender como a saída do ambiente de aula formal é relevante para o aprendizado dos alunos, ou, pelo contrário, se simplesmente a aula prática não altera a maneira do aprendizado do discente em relação ao ensino de Botânica. Os questionários utilizados nesta pesquisa continham três eixos de interesse distintos, como: Eixo 1. O conhecimento prévio dos alunos em relação ao ensino de Botânica; Eixo 2. A existência de dificuldades no processo de aprendizagem de Botânica; Eixo 3. A preferência da sala de aula ou de outro ambiente de aprendizagem. Após a escolha aleatória e posteriormente análise do questionário de 5 alunos em um espaço amostral de 22, o presente estudo obteve como resultado a inferência de que, para que o processo de ensino e aprendizagem do aluno seja efetivado, o docente deve sempre ter em seus planos de aula atividades que sejam práticas, tendo em vista que a prática faz com que o aluno possa entender o conteúdo abordado, e, por conseguinte, venha a ser o autor da sua busca pelo conhecimento. Outrossim, vários trabalhos científicos abordam acerca da necessidade de levar o aluno para ambientes não formais, o que corrobora a tentativa deste estudo de apresentar o quanto a prática é importante para o aluno.


Palavras-chave


Aluno. Botânica. Grupos de plantas. Ensino-aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. F. Implementação da Educação Ambiental em escolas: uma reflexão. In: Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 4.out/nov/dez 2000.

ARAÚJO, J. N.; SILVA, M. de F. V. Aprendizagem significativa em ambientes naturais. Revista Amazônica de Ensino de Ciências/Revista ARETÉ, v. 8 n. 15, p. 100-108, 2015.

BIZZO, N. Ciências: Fácil ou difícil? 2. ed. São Paulo: Ática, 2008.

BODGAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

CARMO, K. V.; FERREIRA, L. B. M.; ARÁUJO, C. M. Y. Percepções de um grupo de li-cenciandos em Ciências Biológicas acerca da observação e do registro da observação na in-vestigação científica a partir de uma sequência didática. Ciências & Educação, v. 22, n. 4, p. 935-950, 2016.

CARVALHO, D. P. A nova lei de diretrizes e bases e a formação de professores para a educação básica. Ciência e Educação. V. 5, nº 2, 1998.

CARVALHO, I.C. M. Educação Ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P.P. (Coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasí-lia: Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental, 2004. p. 13-24.

CARVALHO, M.F.N.; PEREIRA, V. C.; FERREIRA, S. P. A.(Des) motivação de aprendi-zagem de alunos da escola pública do Ensino Fundamental I: quais os fatores envolvidos? 2009. Disponível em: https://www.ufpe.br/desmotivaoaprendizagemalunosescola.pdf. Aces-so em: 12 abr. 2019.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014. 342 p. (Série Métodos de Pesquisa).

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 7. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

DUCATTI, S. K.C. A formação no curso de Pedagogia para o ensino de ciências nas sé-ries iniciais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, SP, 2005.

GALLO, S. Transversalidade e meio ambiente. Ciclo de palestras sobre meio ambiente. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília: MEC; SEF, 2001. p. 56. Disponível em: http://interacao2008.pbworks.com/f/transversalidade%20e%20meio%20amb iente.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

GATTI, B. A. Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos. 2008. Relatório final (Pedagogia) – Fundação Carlos Chagas, São Paulo, 2008.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus (Coleção Papirus Educação), 2004.

HURD, P. D. Scientific Literacy: New Minds for a Changing World. Science Education, v.82, n.3, p.407-16, 1998.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 6.ed. São Paulo: Edusp, 2008.

KINOSHITA, L. S. et al. A Botânica no Ensino Básico: relatos de uma experiência transformadora. São Carlos: Rima, 2006.

LIBÂNEO, J. C. Os métodos de ensino. São Paulo: Cortez, 1994.

LORENZO, J. G. F. et al. Construindo aparelhagens de Laboratório com materiais alternativos – PIBID/IFPB Congresso Norte – Nordeste de Pesquisa e Inovação – 2010. Disponível em: http://connepi.ifal.edu.br/ocs/anais/conteudo/anais/files/conferences/1/schedConfs/1/papers/1183/public/1183-5393-1-PB.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

MOREIRA, M. A. (1999). Aprendizagem significativa. Brasília: Editora da UnB. Revisado em 2012.

MYERS, N. An expanded approach to the problem of disappearing species. Science, 193: 198-202. 16 july, 1976.

PIRES, M. R. Educação Ambiental na Escola. Belo Horizonte: Soluções Criativas em Comunicação, 1996. p. 93.

PONTALTI, E. S. Projeto de Educação Ambiental: Parque Cinturão Verde de Cianorte. Disponível em: http://www.apromac.org.br. Acesso em: 12 nov. 2019.

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

RAVEN, P.; EVERT, R. F.; EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

RESES, G. L. N. Didática e Avaliação no Ensino de Ciências Biológicas. Centro Universitário Leonardo da Vinci – Indaial, Grupo UNIASSELVI, 2010.

RONQUI, L.; SOUZA, M. R. de.; FREITAS, F. J. C. de. A importância das atividades práticas na área de biologia. Revista científica da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal – FACIMED. 2009. Cacoal – RO. Disponível em: http://www.facimed.edu.br/site/revista/pdfs/8ffe7dd07b3dd05b4628519d0e554f12.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

SALATINO, A.; BUCKERIDGE, M. “Mas de que te serve saber botânica?”. Estudos Avançados, v. 30, n.87, p.177-96, 2015.

STANSKI, C.; LUZ, C.F.P.; FERREIRA, A.R.; NOGUEIRA, A.R.FR. Ensino de Botânica no Ensino Fundamental: estudando o pólen por meio de multimodos. Hoehnea, v.43, n.1, p.19-25, 2016. Disponível em: Acesso em: jun. 2019.

SILVA, P. G. P. da.; CAVASSAN, O. Avaliação da ordem de atividades didáticas teóricas e do campo no desenvolvimento do conteúdo de botânica da disciplina de Ciências na 6° série do ensino fundamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5., 2005, Bauro. Atas do V ENPEC, Bauro, 2005, p. 1- 11.

SILVA, I. L. G.; GALIAZZI, M. C. Rodas de pertencimento como proposta de formação de professores, Olhar de Professor. Ponta Grossa, v. 13, n. 1, p. 117-125, 2010.

SILVA, J. R. S da. Concepções dos professores de botânica sobre ensino e formação de professores. 2013. 208 f. tese (Doutorado em Ciências na Área de Botânica) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

TOMAZELLO, M.G.C.; FERREIRA, T.R.C. Educação Ambiental: que critérios adotar para avaliar a adequação pedagógica de seus projetos?Ciência & Educação. Bauru, v. 7, n. 2, p. 199-207, 2001.

TOZONI, R. M. Temas ambientais como “temas geradores”: contribuições para uma meto-dologia ambiental, crítica, transformadora e emancipatória. Educar, Curitiba, n. 27, 2006. p. 93-110.

VIVIANI, D.; COSTA, A. Práticas de Ensino de Ciências Biológicas. Centro Universitário Leonardo da Vinci – Indaial, Grupo UNIASSELVI, 2010

VON L. L. Ciências Biológicas e os PCNs. Centro Universitário Leonardo da Vinci – In-daial, Grupo UNIASSELVI, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts