Análise dos extremos termo-higrométricos em Campo Grande - MS entre 2002 e 2017

Arlei Teodoro de Queiroz, Helis da Cruz Vargas

Resumo


O conhecimento do clima local constitui um importante fator para o estudo do ambiente, bem como a busca de melhor qualidade de vida para a população. Neste sentido, o presente artigo tem o objetivo de elencar e compreender a ocorrência de extremos termo-higrométricos em Campo Grande - MS. Para atingir o objetivo proposto, foram solicitados os dados da Estação Meteorológica de Campo Grande ao Instituto Nacional de Meteorologia. De posse desses dados, eles foram tabulados, classificados e, a partir daí, foram elencados os extremos termo-higrométricos para análise e compreensão dos eventos em questão. Entre os resultados obtidos, vale destacar que, na classificação dos anos-padrão, o ano de 2002 pode ser considerado como quente/seco ou alta amplitude termo-higrométrica dentro da série histórica analisada; em contraponto, o ano de 2009 caracterizou-se por ser frio/úmido e com baixa amplitude térmica e o ano de 2010 foi classificado como habitual em seis das oito variáveis analisadas. A partir das análises dos extremos de temperatura e umidade relativa, torna-se possível traçar indicadores que demonstram a influência dos fatores climáticos estudados no cotidiano da população na área de estudo, podendo, assim, nortear as políticas públicas e as ações da sociedade no intuito de minimizar, adaptar e/ou mitigar os impactos gerados pelos extremos climáticos analisados.


Palavras-chave


Campo Grande. Extremos de temperatura. Umidade relativa do ar.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMARGO, Maristela Gomes de; FURLAN, Maria Montserrat Diaz Pedrosa. Resposta Fisiológica do Corpo às Temperaturas Elevadas: Exercício, Extremos de Temperatura e Doenças Térmicas. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 4, n. 2, p. 278-288, nov. 2011. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/issue/view/89. Acesso em: 10 set. 2018.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Disponível em: www.inmet.gov.br. Acesso em: 10 abr. 2018.

MENDES, P. C. Gênese e estrutura espacial das chuvas na cidade de Uberlândia – MG. 2001. 258 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2001.

MONTEIRO, A.; CARVALHO, V. Clima e planejamento regional. In: AMORIM, M. C. C. T.; SANT'ANNA NETO, J. L.; MONTEIRO, A. (Org.). Climatologia urbana e regional: questões teóricas e estudos de caso. São Paulo: Outras Expressões, 2013. P. 93-116.

________________. Riscos climáticos: hazards, áleas, episódios extremos. In: AMORIM, M. C. C. T.; SANT'ANNA NETO, J. L.; MONTEIRO, A. (Org.). Climatologia urbana e regional: questões teóricas e estudos de caso. São Paulo: Outras Expressões, 2013. P. 143-172.

MONTEIRO, C. A. de F. Clima e excepcionalismo: conjecturas sobre o desempenho da atmosfera como fenômeno geográfico. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1991. 233 p.

QUEIROZ, A. T. Estrutura espacial e gênese dos extremos termo-higrométricos na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba por meio da análise rítmica. 2017. 184 f., il. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

SANT'ANNA NETO, J. L. As chuvas no Estado de São Paulo: Contribuição ao estudo da variabilidade e tendência da pluviosidade na perspectiva da análise geográfica. 1995. Tese (Doutorado em Geografia) - Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

SANT'ANNA NETO, J. L. Clima e Organização do Espaço. Boletim de Geografia, Maringá, v. 15, n.1, p. 119-131, 1998.

SENTELHAS, P. C.; MONTEIRO, J. E. B. A. Agrometeorologia dos Cultivos: Informações para uma Agricultura Sustentável. In: José Eduardo B. A. Monteiro. (Org.). Agrometeorologia dos Cultivos: O Fator Meteorológico na Produção Agrícola. Brasília: Instituto Nacional de Meteorologia, 2009, v. 1, p. 3-12.

SILVA, Luiz Bueno da. Mudanças climáticas e a elevação da temperatura: implicações no conforto, na saúde e no desempenho de alunos em ambientes de ensino inteligentes (News ICT) nas regiões brasileiras. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2013. Disponível em: https://security.ufpb.br/lat/contents/documentos/projetos/projeto-mudancas-climaticas-e-a-elevacao-da-temperatura.pdf. Acesso em: 10 set. 2018.

TAVARES, A. C. Critérios de escolha de anos padrões para analise rítmica em climatologia. Geografia, Rio Claro, v. 1, n.1, p. 79-87, 1976.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts