Desempenho fisiológico e sanitário em sementes de Marandu tratadas com bioestimulante

Warlyton Silva Martins, Ailton Jônatar Queiroz Vaz, Ingergleice Machado de Oliveira Abreu

Resumo


Buscam-se alternativas que visam trazer eficiência ao estabelecimento de forrageiras nos mais diversos sistemas agrícolas, observando os fatores que exercem forte influência sobre o processo de germinação e qualidade sanitária das sementes dessas culturas. Assim, objetivou-se, na presente pesquisa avaliar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de Urochloa brizantha cv. Marandu com e sem o tratamento de bioestimulante (Stimulate®) submetidas a estresse de temperatura. Para tanto, utilizou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado em esquema fatorial duplo 2x4, consistindo em duas condições das sementes (sem tratamento (ST) e com tratamento (CT)) com 4 tempos de exposição à estufa (0h, 48h, 72h e 96h) com quatro repetições, as quais foram submetidas ao envelhecimento acelerado, teste de porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação (IVG) e sanidade. Os dados obtidos foram submetidos ao teste de normalidade e posteriormente à análise de variância, assim as médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott (p>0,05), e para a germinação e IVG, foi utilizado a análise de regressão quadrática para observar seus comportamentos nos tempos de exposição estudados. Para o teste de sanidade, os valores foram expressos em termos de porcentagem. Para tanto, nas condições do presente experimento, a porcentagem de germinação e o índice de velocidade de germinação apresentaram sensibilidade (redução) nos diferentes tempos de exposição à temperatura de 42 ºC em estufa. Contudo, houve efeito do Stimulate® sobre a qualidade fisiológica das sementes do capim marandu quando a semente foi submetida a um tempo de 48 horas de exposição a estufa, tanto para germinação quanto para IVG, apresentando efeito fungitóxico sob Aspergillus níger e Rhizopus sp..

Palavras-chave


Germinação. Stimulate®. Temperatura.

Texto completo:

PDF

Referências


ABIEC – Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes. BeefREPORT - Perfil da Pecuária no Brasil. 2019. Disponível em: http://www.abiec.com.br/controle/uploads/arquivos/sumario2019portugues.pdf. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

ANDRADE, A, C. et al. Germinação de sementes de Dolberqia nigra (VeIL) Fr. Ali. Ex Benth.substraro, temperatura e desenvolvimento pós-seminal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasilía, v, 41, n. 3, p. 517-523, 2006.

AVELINO, A. C. D. et al. Effect of Fertilizer on Palisadegrass Seeds Pathogens. Journal of Experimental Agriculture International, p. 1-9, 2019.

BARRETO, R.W. Fungos fitopatogênicos. Viçosa: Departamento de Fitopatologia, Universidade Federal de Viçosa, UFC, 2001. 48p.

BATISTA, T. U. et al. Priming and stress under high humidity and temperature on the physiological quality of Urochloa brizantha cv. MG-5 seeds. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 38, n. 1, p. 123-127, 2016.

BONOME, L. T. D. S. et al. Efeito do condicionamento osmótico em sementes de Brachiaria brizantha cv. Marandu. Ciência e Agrotecnologia, v. 30, n. 3, p. 422-428, 2006.

BRENNECKE, K.; FERRAZ, F. M.; SIMÕES, T.R. Germinação de sementes de Urochloa decumbens sob diferentes concentrações de biorregulador. Rev. Acad. Ciênc. Anim., v. 13, n. 1, p. 145-151, 2015.

CÂMARA, H. H. L. L.; STACCIARINI-SERAPHIN, E. Germinação de sementes de Brachiaria brizantha cv. Marandu sob diferentes períodos de armazenamento e tratamento hormonal. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 32, n. 1, p. 21-28, 2002.

CODOGNOTO, L. C. et al. Physiological response of marandu grass seeds exposed to NPK fertilizer. Ciência Rural, v. 49, n. 6, 2019.

DA SILVA, A. B.; LANDGRAF, P. R. C.; MACHADO, G. W. O. Germinação de sementes de braquiária sob diferentes concentrações de giberelina. Semina: Ciências Agrárias, v. 34, n. 2, p. 657-662, 2013.

DE LIBÓRIO, C. U. et al. Superação da dormência em sementes de Urochloa humidicola cv. BRS Tupi pelo uso de ácido giberélico. Embrapa Gado de Corte-Artigo em periódico indexado (ALICE), 2018.

DIEESE. Estatísticas do meio rural 2010-2011. 4. ed. São Paulo: DIEESE: NEAD: MDA, 2011.

DOS SANTOS, J. V. A. et al. Desenvolvimento inicial de capim-annoni (eragrostis plana nees) em resposta à luz e temperatura. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 9, n. 3, 2018.

FAVORETO, A. et al. Estudo fitossanitário, multiplicação e taxonomia de nematoides encontrados em sementes de gramíneas forrageiras no Brasil. Nematologia Brasileira, v. 35, n. 2, p. 1-2, 2011.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

FONSECA, D. M.; SANTOS, M. E. R.; MARTUSCELLO, J. A. Importância das forrageiras no sistema de produção. Plantas forrageiras. Viçosa: UFV, 2010. p. 13-29.

IBGE. Censo agropecuário. 2017. Disponível em: https://censoagro2017.ibge.gov.br/templates/censo_agro/resultadosagro/estabelecimentos.html. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

JUNIOR, O. J.; SEGATO, S. V. Germinação de sementes de Chloris polydactyla em diferentes temperaturas e condições de luminosidade. Nucleus, v. 13, n. 1, p. 229-236, 2016.

LAPIG. Atlas Digital das Pastagens Brasileiras. 2017. Disponível em: https://pastagem.org/atlas/map. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

MACEDO, M. C. M.; ARAUJO, A. R. de. Sistemas de integração lavoura-pecuária: alternativas para recuperação de pastagens degradadas. In: BUNGENSTAB, D. J. (Ed.). Sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta: a produção sustentável. 2. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2012. p. 27-48.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 1., p. 176-177, 1962.

MARCHI, C. E. et al. Microflora fúngica de sementes comerciais de Panicum maximum e Stylosanthes spp. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 3, p. 575-584, 2010.

MELO, L. F. de et al. Effects of processing phases on the quality of massai grass seeds. Revista Ciência Agronômica, v. 49, n. 2, p. 259-266, 2018.

MORAES, C. P. et al. Efeito de subdoses de glyphosate no crescimento e no teor nutricional de plantas de capim-braquiária. Anais Simpoherbi, v. 1, 2019.

NGUKU, S. et al. Effects of Acid Scarification on germination of the genus Urochloa grass Cultivars. International J Sci Res Innov Technol, v. 3, p. 45-50, 2016.

RODRIGUES, A. P. D. C. et al. Temperatura de germinação em sementes de estilosantes, Revista Brasileira de Sementes. vol. 32, n. I. p,166 -173,20:10, 2010.

SANTOS, G. R. et al. Sanity analysis, transmission and pathogenicity of fungi associated with forage plant seeds in tropical regions of Brazil. Journal of Seed Science, v. 36, n. 1, p. 54-62, 2014.

SCHMIDT, I. U. et al. Produção e germinação de sementes de" capim dourado", Syngonanthus nitens (Bong.) Ruhland (Eriocaulaceae): implicações para o manejo. Acta botanica brasilica, v. 22, n. 1, p. 37-42, 2008.

SCOTT, A.; KNOTT, M. A cluster analysis method for grouping means in the analysis of variance. Biometrics, v. 30, p. 507-512, 1974.

SILVA, M. A. D.; VIEIRA, R. D.; SANTOS, J. M. Influência do envelhecimento acelerado na anatomia da testa de sementes de soja, cv. Monsoy 84001. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 30, n. 2, p. 91-99, 2008.

SILVA, T. T. A. et al. Qualidade fisiológica de sementes de milho na presença de bioestimulantes. Ciênc. agrotec., Lavras, v. 32, n. 3, p. 840-844, Junho, 2008.

VELA, R. S. et al. Quebra de dormência em sementes de Urochloa brizantha (Hochst. ex A. Rich.) Stapf. Revista de Ciências Agrárias, v. 41, n. 2, p. 41-50, 2018.

VIEIRA, E. L.; CASTRO, P. R. C. Ação de bioestimulante na cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill). Cosmópolis: Stoller do Brasil, 2004. 74p.

VIEIRA, E. L.; CASTRO, P. R. C. Ação de bioestimulante na germinação de sementes, vigor de plântulas, crescimento radicular e produtividade de soja (Glycine max (L.) Merrill), feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) e arroz (Oryza sativa L.). 2001. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2020.v4.i4.101-111p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts Crossref Similarity Check