Experimentação estética e reflexão política em A Festa, de Ivan Ângelo: desmontando a ditadura

Bruno Rodrigues Soares Santos, Volmir Cardoso Pereira

Resumo


O presente artigo tem por objetivo fazer um estudo sobre a produção literária durante o Regime Militar, mais especificamente em A Festa (1976), de Ivan Ângelo, uma vez que o período foi marcado pela repressão política e pelo cerceamento da expressão artística no Brasil. A partir de um levantamento bibliográfico de artigos e teses lançadas com temáticas relacionadas a esse contexto, como Lizandro Calegari (2008) e Tania Pellegrini (1996), faremos uma apresentação do momento histórico - especialmente os anos 1970 - observando a produção literária da época, sobretudo a obra de Ivan Ângelo. Para tanto, utilizaremos recursos de crítica literária e textos que analisam o contexto histórico e social dos “anos de chumbo”, a fim de auxiliar-nos na busca por compreender as relações entre a forma do romance e os aspectos políticos e ideológicos que podem ser aferidos a partir dele.


Palavras-chave


Literatura brasileira. Ditadura Civil-Militar. A Festa. Crítica cultural materialista.

Texto completo:

PDF

Referências


ÂNGELO, Ivan. A Festa. São Paulo: Geração Editorial, 2000.

CALEGARI, Lizandro Carlos. A literatura contra o autoritarismo: A desordem social como princípio da fragmentação na ficção brasileira pós-64. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Centro de Artes e Letras, UFSM, Santa Maria, 2008.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. Tradução de Antônio Sousa Ribeiro. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

FRANCO, Renato. Itinerário político do Romance Brasileiro pós-64: A Festa. São Paulo: UNESP, 1998.

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada: as ilusões armadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

PELLEGRINI, Tânia. Gavetas vazias: ficção e política nos anos 70. São Carlos: EDUFSCar, 1996.

PINHEIRO, P. S. Autoritarismo e transição. Revista USP, Brasil, n. 9, p. 45-56, mai. 1991. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/25547. Acesso em: 15 jun. 2019.

RANCIÈRE, Jacques. “Se o irrepresentável existe”. In: _______. O destino das imagens. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2009.

SUSSEKIND, Flora. Retratos & egos. In. _______. Literatura e vida literária: Polêmicas,

diários e retratos. Rio de Janeiro




DOI: http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2020.v4.i4.179-187p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts Crossref Similarity Check