Levantamento de encaminhamentos médicos para fisioterapia em unidade básica de saúde do Tocantins

Angela Shiratsu Yamada, Guilherme Rodrigues Noleto, Rosangela dos Reis Nunes, Fernando Mendonça Cardoso, Marta Lucia Resende Guimaraes Adorno

Resumo


Na prática fisioterapêutica do Sistema Único de Saúde, a grande maioria dos pacientes, só tem acesso ao tratamento fisioterapêutico quando são encaminhados pelos médicos. Neste estudo, levantou-se a hipótese de que o médico do programa “Mais Médicos” realizava poucos encaminhamentos para fisioterapia quando comparado aos médicos contratados. Entendendo que esse fato possa ser prejudicial ao usuário, este estudo teve como objetivo realizar levantamento dos encaminhamentos médicos para o setor de fisioterapia e refletir sobre a atenção básica em saúde e a atuação da fisioterapia. O estudo foi realizado na Unidade Básica de Saúde de Recursolândia, a qual possui 3 médicos que fazem encaminhamentos para a fisioterapia. Os médicos 1 e 2 são contratados e o 3 é do programa “Mais Médicos”. Os dados foram colhidos com base nos encaminhamentos que chegaram ao setor de Fisioterapia e foram levantados o motivo e número do encaminhamento de cada profissional. Foram realizados 91 encaminhamentos para a fisioterapia, sendo que o médico 1 realizou 69 encaminhamentos, o médico 2 referenciou 13 e o médico 3 encaminhou 9. O presente estudo foi importante para desmistificar que somente o médico do programa “Mais Médicos” tenha poucos encaminhamentos para o tratamento fisioterapêutico. Os profissionais e gestores de saúde devem ampliar os olhares para ação integrada em saúde, na promoção da saúde e prevenção de doenças além da reabilitação, que realmente seja implementado na prática profissional diária para melhorar a saúde dos brasileiros. 

Termos para indexação: Programa “Mais Médicos”, tratamento fisioterapêutico, Tocantins

Survey of medical referrals to physiotherapy in basic health unit of Tocantins

Physical therapy practice of the Unified Health System, the vast majority of patients only have access to physical therapy when they are referred by doctors. This study raised the hypothesis that the doctor of the "More Doctors Program" performed few referrals to physical therapy when compared to contracted doctors. Understanding this fact can be harmful to the user, this study aimed to carry out a survey of medical referrals to physiotherapy sector and reflect on basic health care and the role of physical therapy. The study was conducted at the Basic Health Unit Recursolândia, which has three doctors who make referrals to physiotherapy. Doctors 1 and 2 are employed and 3 is the "More Doctors” Program. Data were collected on the basis of referrals that reached the Physiotherapy industry and have raised the subject and routing number of each professional. Were made 91 referrals to physical therapy, and medical 1 made 69 referrals, medical 2 referenced 13 andthe doctor sent 3 09. This study was important to demystify that only the doctor of the "More Doctors" has few referrals to physical therapy. Health professionals and managers should expand looks for integrated action on health, health promotion and disease prevention in addition to rehabilitation, which is actually implemented in daily professional practice to improve the health of Brazilians. 

Index terms: “More Doctors” Program, physical therapy, Tocantins


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n.º 12871, de outubro de 2013. Presidência da República: Casa Civil.

CAMPOS G. W. S. A Saúde, o SUS e o programa" Mais Médicos". Revista do Médico Residente, v. 15, n. 2, 2013.

FORMIGA N.F.B.; RIBEIRO K. S. Q.S. Inserção do Fisioterapeuta na Atenção Básica: uma Analogia entre Experiências Acadêmicas e a Proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v.16, n. 2, pp 113-122, 2012.

HADDAD A. E.; PIERANTONI C. R.; RISTOFF D.; XAVIER I. M.; GIOLO J.; SILVA L. B. A trajetória dos cursos de graduação na área da saúde: 1991-2004. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, p. 201-350, 2006.

LIMA M. C; MARTINS C.B. Dor e qualidade de vida no grupo “turma da coluna” no NASF de Foz do Iguaçu. Pleiade, Foz do Iguaçu, v. 9,n. 9, pp 7-32, jan/jun, 2011.

PIRES M. R. G. M.; GÖTTEMS L. B. D.; MARTINS C. M. F.; GUILHEM D.; ALVES E. D. Oferta e demanda por média complexidade/SUS: relação com atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, p. 1009-1019, Jun., 2010.

RECURSOLÂNDIA (Município). Plano Municipal de Saúde. 2014-2017. ed. MATOS, M. C., 2014.

REIS, D. C.; FLISCH T. M. P.; VIEIRA M. H. F.; SANTOS-JUNIOR W. S. Perfil de atendimento de um Núcleo de Apoio à Saúde da Família na área de reabilitação, Município de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2009. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 21(4):663-674, out-dez 2012.

REZENDE, E. M. R. S. Regulação do atendimento de Fisioterapia de Sarzedo, 2014. Disponível em: . Acesso em 19 de mar. de 2016.

RIBEIRO C. D.; SOARES M. C. F. Situações com potencialidade para atuação da fisioterapia na atenção básica no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Pública, 2014;36(2):117–23.

RIBEIRO R. C. Programa Mais Médicos–um equívoco conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 2, p. 421-424, 2015.

RODRIGUES F.; SOUZA P. S.; BITENCOURT L.T.G. A Fisioterapia na Atenção Primária. Revista do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica / Saúde da Família, v. 1, 2013.

RODRIGUES W. F. G.; SILVA L. R.; NASCIMENTO M. A. L.; PERNAMBUCO C. S.; GIANI T. S; DANTAS E. H. M. Prevalência de lombalgias e inatividade física: o impacto dos fatores psicossociais em gestantes atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. Einstein 9, (4 Pt 1):489-93, 2011.

SÁ M. R. C.; THOMAZINHO P. A.; SANTOS F. L; CAVALCANTI N. C.; RIBEIRO, C. T. M.; NEGREIROS M. F. V.; VINHAES M. R. Assistência fisioterapêutica na atenção primária à saúde infantil: uma revisão das experiências. Rev Panam Salud Publica, 2014;36(5):324–30.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts