Indução de resistência ao crestamento gomoso do caule em melancieira com uso de fosfito

Diego Gomes de Abreu, Warlyton Silva Martins, Flavia Fernandes Ribeiro de Miranda

Resumo


Objetivou-se avaliar a resistência da melancia híbrida Tainan e a capacidade do uso de fosfito de potássio em induzir a resistência adquirida (SAR) ao fungo Didymella bryoniae. No ensaio in vitro utilizou-se o delineamento experimental em blocos inteiramente casualizados (DIC), com o fosfito diluído em meio BDA fundente em cinco concentrações (D1: 0; D2: 100; D3: 200; D4: 300; e D5: 400 μL/ml), consistindo em quatro repetições. No ensaio in situ adotou-se o delineamento experimental em blocos inteiramente casualizados em esquema fatorial 3x5, consistindo em três métodos de tratamento (T1: tratamento de sementes; T2: aplicação pré-emergente; e T3: aplicação pós-emergente), combinados com cinco doses de fosfito (D1: 0; D2: 100; D3: 200; D4: 300; e D5: 400 μL/ml) com quatro repetições. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (teste F), médias comparadas pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. O fosfito, em todas as doses utilizadas in vitro, apresentou efeito fungitóxico, inibindo a germinação de conídios de D. bryoniae. No ensaioin situ o método de tratamento de sementes (T1) obteve as maiores notas, proporcionando a total indução de resistência a D. bryoniae a partir da dose de 200 μL/ml. Conclui-se que o uso de fosfito se mostra como uma fonte alternativa no controle de doenças fúngicas através da indução de resistência em plantas e da sua ação preventiva e fungitóxica.


Palavras-chave


Alternativa. Controle. Doença Fúngica. Manejo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, RWS. et al. Avaliação de Plantas Daninhas como Reservatórios de Vírus Associados à Cultura da Melancia. Planta Daninha, v. 36, 2018.

BONALDO, S. M.; PASCHOLATI, S. F.; ROMEIRO, R. S. Indução de resistência: noções básicas e perspectivas. In: CAVALCANTI, L. S. et al. Indução de resistência em plantas a patógenos e insetos. Piracicaba: p. 11-28. FEALQ, 2005.

BRACKMANN, A. et al. Controle de podridões em maçãs ‘Fuji’ frigoconservadas com a aplicação de fosfitos e cloretos de benzalcônio em pré e pós-colheita. Revista da FZVA, v. 15, n. 2, 2008.

BRUZAMARELLO, J. et al. Potencial de fosfitos na indução da resistência em plantas de soja. Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas, v. 27, n. 3, p. 263-273, 2018.

COLE, D. L. The efficacy of acibenzolar-S-methyl, an inducer of systemic acquired resistance, against bacterial and fungal diseases of tobacco. Crop Protection, Guildford, v. 18, p. 267-273, 2005.

COSTA, B. H. G et al. Potassium phosphites in the protection of common bean plants against anthracnose and biochemical defence responses. Journal of phytopathology, Ithaca, v. 166, n. 2, p.95-102, 2017. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/jph.12665. Acesso em: 15 jan. 2020.

DALCIN, M. S. et al. Severity of gummy stem blight on melon in relation to cultivars, use of fungicides and growing season. Horticultura Brasileira, v. 35, n. 4, p. 483-489, 2017.

DE ALMEIDA, K. B. et al. Reação de genótipos de melancia ao Fusarium solani f. sp. cucurbitae raça 1. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMIÁRIDO, 13., 2018, Petrolina. Anais [...]. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2018.

DIANEZE, A. C.; BLUM, L. E. B. O uso de fosfito no manejo de doenças fúngicas em fruteiras e soja. Embrapa cerrados, Planaltina, DF. 2010.

DORDAS C. Role of nutrients in controlling plant diseases in sustainable agriculture. A review. Agron. Sustain. 33-46, 2008.

LOCATELI, B.T. et al. Indução de resistência por agentes abióticos em soja à mosca-branca. 2017. Dissertação (Mestrado). Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

MAUCH-MANI, B. et al. Defense priming: an adaptive part of induced resistance. Annual Review of Plant Biology, v. 68, p. 485-512, 2017.

MÜLLER, M. L. et al. Produção de mudas de melancieira sob diferentes telas de cobertura. Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas, v. 26, n. 3, p. 251-264, 2017.

NASCIMENTO, I. R. et al. Componentes de médias e variância para caracteres produtivos em melancia. Agri-Environmental Sciences, v. 2, n. 2, p. 25-32, 2016.

RÊGO, A. M.; CARRIJO, I. V. Doenças das cucurbitáceas. In: ZAMBOLIM, L.; VALE, F. X. R. do; COSTA, H. (Ed.). Controle de doenças de plantas hortaliças, v.1. Viçosa, p. 535-598, 2000.

ROMA, R. C. C. Fosfito de potássio no controle de doenças pós-colheita em bagas de uva ‘Itália’ e possíveis mecanismos de ação à Rhizopus stolonifer. 2013. 117 f. Tese (Doutorado em Ciências - Fitopatologia) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2013.

SALGADO, V. C. et al. Cultivo de melancia no semiárido irrigado com diferentes lâminas de esgoto doméstico tratado. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 23, n. 4, p. 727-738, 2018.

SANTOS, G. R.; CAFÉ-FILHO, A. C. Reação de genótipos de melancia ao crestamento gomoso do caule. Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v. 23, n. 4, p. 945-950, 2005a.

SANTOS, G.R. et al. Progresso do crestamento gomoso e perdas na cultura da melancia. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 23, n. 2, p.228-232, abr-jun 2005b.

SANTOS, L. S. et al. Reaction of melon genotypes to Didymella bryoniae (Fuckel) Rehm. Chilean journal of agricultural research, v. 77, n. 1, p. 71-77, 2017.

SANTOS, L. B. et al. Dissimilaridade genética entre famílias de melancia. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v. 8, n. 1, 2018.

SEAGRO – Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária. Agricultura. Disponível em: https://seagro.to.gov.br/agricultura/. Acesso em: 15 jan. 2020.

TAVARES, S. C. C. de H. Melão sem fungos. Cultivar – Hortaliças e Frutas, Pelotas, v. 2, n. 12, p.29-34, fev./mar. 2002.

TAVARES, A. T. et al. Aptidão agronômica de genótipos de melancia no sul do estado do Tocantins. ACSA, Patos-PB, v. 14, n. 1, p.59-64, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2021.v5.i1.118-127p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts Latindex – Interciencia PortuguêsSubmissões


Utilizamos o seguinte software de detectação de similaridade:

Crossref Similarity Check