Várias TVs dentro de uma TV: Novos conceitos de televisão e o consumo da ficção narrativa

Valmir Moratelli Cassaro

Resumo


O artigo pretende analisar as novas significações que as práticas de consumo de narrativas audiovisuais recebem no país, ao se discutir como a televisão, produto hegemônico entre os lares brasileiros, se comporta com o avanço da utilização da internet como fornecedora e produtora de conteúdo. Utilizamos como método os conceitos de sociedade do consumo, de Jean Baudrillard (2011), e de espetáculo, de Guy Debord (1997), enfatizando o contexto das normas de uma sociedade capitalista, expostos por Raymond Williams (2016). Como parte da metodologia, faz-se necessário um comparativo entre algumas das produções da televisão tradicional, ou também chamada de TV aberta, em relação às series disponíveis nos serviços de streaming, cada vez mais populares e em franca expansão no mercado brasileiro, o que acompanha uma tendência mundial. Assim conclui-se que a televisão, meio pelo qual se promove entretenimento gratuito em quase a totalidade do país, vem sofrendo drásticas transformações de forma e conteúdo neste começo do século XXI.


Palavras-chave


Ficção seriada. Streaming. Tecnologia. Televisão.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Chris. A Cauda Longa - Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2006.

BALOGH, Anna Maria. O discurso ficcional na TV. São Paulo: EdUSP, 2002.

BAUDRILLARD, Jean. Tela Total. Porto Alegre: Editora Sulina, 2011.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

BUCCI, Eugênio; KEHL, Maria Rita. Videologias: Ensaios sobre televisão. Rio de Janeiro: Boitempo, 2004.

CASTRO, Celso (org.). Textos básicos de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2014.

CAVALCANTE, Maria Imaculada. Do romance folhetinesco às telenovelas. OPSIS, Rio de Janeiro: Revista do NIESC, Vol. 5, 2005.

COHEN, B. R. Jill Lepore on the challenge of explaining things. [S.l.]: Public Books, 2017. n. 24. Disponível em: http://www.publicbooks.org/jill-lepore-on-the-challenge-of-explaining-things/. Acesso em: 4 maio 2018.

CRARY, Jonathan. Técnicas do observador: visão e modernidade no século XIX. Tradução: Verrah Chamma. Rio de Janeiro: Contracapa Editora, 2012.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. 1. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 8.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2005.

HEGEL, Georg. Cursos de Estético I. São Paulo: Edusp, 2001.

JENKINS, Henry. Textual Poachers: Television Fans and Participatory Culture. Londres: Routledge,1992

KAUFMAN, Lloyd. Make Your Own Damn Movie!. Los Angeles: Weekly Books, 2003.

LADEIRA, João Martins. Negócios de audiovisual na internet: uma comparação entre Netflix, Hulu e iTunes-AppleTV. Revista Contracampo, Niterói, v. 26, n. 1, p. 145-162, 2013. Ed. abr,

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ,

MARTIN, Brett. Difficult men: behind the scenes of a creative revolution: from The Sopranos and The Wire to Mad Men and Breaking Bad. New York: The Penguin Press, 2013.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MITTELL, Jason. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. MATRIZes, São Paulo – Brasil. ano 5, n. 2, p. 29-52, jan./jun de 2012.

ORTIZ, Renato; BORELLI, Silvia Helena Simões; RAMOS, José Mário Ortiz. Telenovela: História e Produção. Brasília: Editora Brasiliense. 1989.

RAHDE, Maria Beatriz Furtado; TIETZMANN, Roberto; DORFMAN, Beatriz. Avenida Brasil: o popular como pós-modernismo televisivo. Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul. Estudos em Comunicação nº 12, 325-341. Dezembro de 2012.

ROCHA, Everardo. Coisas estranhas, coisas banais: notas para uma reflexão sobre o consumo. In: ROCHA, E.; ALMEIDA, M.; EUGENIO, F. (orgs.). Comunicação, consumo e espaço urbano: novas sensibilidades nas culturas jovens. Rio de Janeiro: Mauad/PUC-Rio, 2006.

SACCOMORI, Camila. Práticas de binge-watching na era digital: novas experiências de consumo de seriados em maratonas no Netflix. 2016. 246 f. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Comunicação Social, Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

SEPINWALL, Alan. The revolution was televised: the cops, crooks, slingers, and slayers who changed TV drama forever. New York: Touchstone, 2012.

WHITE, Robert A. Televisão como Mito e Ritual (1ª parte). Revista Comunicação & Educação, n1, São Paulo: USP, p. 47-55, 1994.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. Tradução: Márcio Serelle; Mário F. I. Viggiano. 1. ed. São Paulo: Boitempo; Belo Horizonte: PUC-Minas, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2021.v5.i1.31-43p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Atribuição 

CC BY

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho, mesmo para fins comerciais, desde que lhe atribuam o devido crédito pela criação original. 

Contato:
Revista Sítio Novo
Kallyana Moraes Carvalho Dominices
Editora-Chefe
Instituto Federal do Tocantins - Reitoria
Avenida Joaquim Teotônio Segurado, Quadra 202 sul, ACSU-SE 20, Conjunto 01, Lote 08 - Plano Diretor Sul
Palmas, Tocantins - Brasil
Cep: 77.020-450
Telefone: 63 3229-2214

e-ISSN: 2594-7036

 

Bases de Dados, Diretórios, Repositórios e/ou Indexadores

 GoogleScholar  BASE - Bielefeld Academich Search EngineResultado de imagem para logo cabi abstracts Latindex – Interciencia PortuguêsSubmissões


Utilizamos o seguinte software de detectação de similaridade:

Crossref Similarity Check